Notícias

'Fatwa' considera jihadistas 'heréticos'

1 0 823075“Eréticos”. Assim os Imames do Reino Unido definem os jihadistas do Estado Islâmico em uma ‘fatwa’ (‘decreto religioso’), emitida para condenar os jovens muçulmanos que vão combater na Síria e Iraque. O documento – segundo a Agência Ansa – proíbe os muçulmanos de se alistarem nas fileiras do “opressivo e tirânico” Estado Islâmico e pede que se oponham à sua “ideologia venenosa”.

O edito determina que os muçulmanos têm a “obrigação moral” de ajudar as populações da Síria e Iraque, mas “sem trair as suas sociedades”. Muhammad Shahid Raza, Imame Chefe da Mesquita de Leicester, espera que “os nossos jovens escutem aquilo que é dito neste documento”

A importante tomada de posição da comunidade islâmica acontece às vésperas da intervenção do governo britânico que tomará novas medidas para enfrentar o fenômeno do jihadismo. Está prevista a retenção dos passaportes dos extremistas que querem partir para a Síria e Iraque e uma proibição temporária de retorno ao Reino Unido para os britânicos que já estão no exterior, como aqueles que já militam no EI. O projeto, todavia, foi criticado por alguns especialistas, pois prevê uma suspensão ilegal do direito de cidadania.

Também a comunidade anglicana se manifesta, por meio do Arcebispo de York, John Sentamu, que lançou um apelo para que seja dado asilo político aos cristãos em fuga das perseguições no Iraque e na Síria. Em uma entrevista à BBC, Dom Sentamu pede para “se agir com rapidez para evitar uma nova Rwanda”. O prelado anglicano observou que os guerrilheiros jihadistas já demonstraram a sua capacidade sanguinária: “as decapitações demonstram que são sem escrúpulos e que de alguma maneira devem ser detidos, caso contrário acabará num genocídio”.

Londres, até o agora, já concedeu asilo a três mil sírios que já estavam na Grã Bretanha e a 50 refugiados dos campos da ONU no Oriente Médio. (JE)


Fonte: Rádio Vaticano